Início > Uncategorized > A Síndrome de Roberto Carlos

A Síndrome de Roberto Carlos


Pra você, que começa a ler esse texto, fique tranquilo: não estamos falando de uma doença ou Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) que o cantor Roberto Carlos tem. Tampouco é sinônimo de algum tipo de fanatismo por parte dos milhões de fãs que ele tem espalhados pelo Brasil e o mundo – pessoas que ouvem suas músicas o dia todo, compram todos os seus discos e DVDs ou lotam seus shows. E também não é uma nova música que ele pretende lançar.

A Síndrome de Roberto Carlos pode ser considerada uma forma de vício que, no entanto, não é diagnosticado por nenhum médico, mas que milhões de pessoas sofrem e desconhecem: é a síndrome de pessoas (solitárias ou não) que fazem das redes sociais o único modo de socialização de suas vidas. É quando trocam o convívio diário com as pessoas e preferem canalizar suas vivências e experiências pessoais na tela de um computador (ou notebook, ou iPad, ou smartphone, entre outros).

“Eu quero ter um milhão de amigos…”

A letra da canção “Eu quero apenas” retrata o sentimento que hoje norteia a cabeça de milhares de pessoas – jovens, adultos, idosos – que fazem parte de redes sociais como o Twitter, o Facebook, o Orkut, o LinkedIn., entre outras. Qual o objetivo de se ter 5 mil, 10 mil, 1 milhão de amigos e seguidores, senão uma tentativa de socialização virtual, que o mundo real não é capaz de permitir? Seria uma maneira mais fácil de se relacionar? É o relacionamento moderno, que começa virtual e pode se tornar real – e na maioria dos casos, permanece apenas virtual?

O que são as redes de amizade que são direcionadas para namoros virtuais? É mais fácilconhecer alguém no dia-a-dia ou simplesmente assinar um site de relacionamentos, receber e-mails com pessoas as quais você tem afinidades, enviar cupidos virtuais, escrever cartões na tela do computador? As redes sociais encarnam uma espécie de fetiche do relacionamento moderno, baseado muito mais em conhecimentos, afinidades, do que propriamente no sentimento que caracterizava as relações humanas no passado. Percebemos uma certa descartabilidade do discurso, agora resumido em 140 caracteres (no Twitter) ou em mensagens instantâneas que podem ser lidas não no tempo presente, mas quando o receptor achar conveniente.

Infelizmente o “amante à moda antiga, do tipo que ainda manda flores”, que o mesmo Roberto Carlos declamava nos tempos idos não se adapta aos valores contemporâneos baseados na subjetividade do irreal. Ele não pode ter um milhão de amigos simplesmente porque é praticamente impossível (fisicamente) que ele tenha contato com tantas pessoas ao longo de sua vida. E qual o objetivo de ter tantos amigos? Alguém será “melhor” ou “pior” do que o outro, só com base no número de amizades?

Ao mesmo tempo que se anseia por um milhão de amigos, constata-se que no mundovirtual cada um é aquilo que gostaria de ser. Novamente entra aí uma espécie de fetiche, mas desta vez comportamental, idealizado na personalidade que cada um almeja para si. O tímido na vida real pode utilizar o mundo virtual para extravasar uma personalidade reprimida. Ou pode ocorrer o contrário: uma pessoa extrovertida, que queira mudar a opinião das pessoas, pode encarnar num intelectual que aprecia filosofia e bebe vinho francês nas horas de lazer.

Não é objetivo aqui dessacralizar os inúmeros benefícios (tempo, comodismo, conforto) e a praticidade que a internet e o advento das novas tecnologias trouxeram para a rotina das pessoas. Inclusive porque as redes sociais nos dão a possibilidade de atualização de notícias que acontecem em real time. Revoluções acontecem nos países árabes, motivadas pela troca de informações que ocorrem nas redes sociais. Mas o que devemos refletir é: que tipo de relacionamento vivemos e queremos ter? Desejamos a ilusão meteórica de ter milhares de amizades (mesmo que só conheçamos 25% de todos os “amigos”)? Significa status de influência ter milhares de “seguidores” Ter poucas amizades (porém verdadeiras) é sinônimo de desprestígio? O que está em jogo? A quantidade das amizades ou a qualidade dos relacionamentos interpessoais?

Como disse a filósofa e escritora Márcia Tiburi,

“o paradoxo a ser enfrentado nas redes sociais é que a maior quantidade de amigos éequivalente a amizade nenhuma. A amizade é como o amor, que só se sustenta na promessa de que será possível amar. Por isso, quando se sonha com o amor, ele sempre é desejo de futuro, no extremo, de uma eternidade do amor. O mesmo se dá com a amizade. Um amigo só é amigo se for para sempre. Mas quem é capaz de sustentar uma amizade hoje quando se pode ser amigo de todos e qualquer um?”

Anúncios
Categorias:Uncategorized
  1. março 30, 2011 às 23:27

    adorei o texto. Porém convido-o a refletir sobre a diferencaentre amor=sentimento e amor=emoção. Humberto maturana temumaobra que fala acerca disso. assim que puder a envio.
    Parabéns pelo texto

  2. Lea
    março 31, 2011 às 17:30

    Bingo!!!
    Ha 14 anos escrevi um livro sobre Relações Virtuais, quando a Internet mal começava no Brasil. Apesar de naquela época só existir um tipo de chat e poucos grupos de troca de emails, através das BBSs, já dava para antever a solidão de alma que cercava os que buscavam um milhão de “amigos” virtuais. Isso vicia e provoca a tendência de cada um só ver a si mesmo refletido nos outros. Os outros passam a ser uma extensão do viciado em comunicação virtual e não individuos. Quanta ilusão…

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: